Novidades

Serra Leoa: precisamos falar de pobreza, desigualdade e mudanças climáticas

Foto: Afolabi Sotunde - Reuters

por Alexandre Araújo

Quase 500 mortes confirmadas e mais de 600 pessoas ainda desaparecidas. É o saldo terrível dos deslizamentos ocorridos em Serra Leoa nos últimos dias. A pouca atenção da mídia internacional à catástrofe em si faz com que o silêncio paire ainda mais absoluto sobre dois aspectos intrinsecamente ligados a ela: a pobreza e as mudanças climáticas.

Serra Leoa é o país de menor expectativa de vida do mundo: 50,1. É também o 178o menor PIB per capita segundo a ONU e o 9o menor Índice de Desenvolvimento Humano. Seus habitantes emitem uma quantidade insignificante de gases de efeito estufa: apenas 0,2 toneladas por habitante por ano, uma pegada 12,5 vezes menor do que um “brasileiro médio” e mais de 80 vezes menor do que a média de quem mora nos EUA.

 mundo-deslizamento-serra-leoa-20170814-002.jpg
Deslizamentos mataram centenas de pessoas e deixaram muitos
milhares de desabrigados, além de comprometer a já precária
infraestrutura, inclusive de saúde.

O país, como infelizmente esperado, sempre apareceu entre aqueles mais vulneráveis e menos preparados diante das mudanças climáticas em estudos especializados. É o caso do índice ND-Gain, bem menos popular que o PIB ou o IDH, mas nem por isso menos importante. O ND-Gain combina uma série de fatores, que incluem a exposição e o potencial de impacto climático sobre ecossistemas, saúde humana, infraestrutura, acesso a água e alimentos, a capacidade adaptativa do país, os recursos econômicos, a governança e a consciência social para enfrentar o problema. Nele, Serra Leoa fica em 153o lugar de 181 países analisados. O país é penalizado, no cálculo do índice, principalmente pela baixíssima capacidade adaptativa e pelos riscos postos ao ambiente humano, à saúde e à disponibilidade de alimentos.

Que os índices de pobreza fazem de Serra Leoa um país particularmente vulnerável parece não haver dúvidas, mas não seria precipitado apontar também o dedo para as mudanças climáticas? Não se trata apenas de um “fenômeno natural”?

Ok, não é tão simples assim. Ninguém irá ser capaz de dizer que “a causa” dos deslizamentos de terra em Serra Leoa, assim como da onda de calor que se abateu sobre a Europa ou das 6000 vidas ceifadas pelo tufão Haiyan, nas Filipinas, há quase 4 anos. Mas uma relação causal existe, até porque todo e qualquer processo meteorológico hoje é afetado pela presença de mais gases de efeito estufa ou, em outras palavras, a atmosfera não funciona do mesmo jeito com 400 ppm de CO2. O que acontece, porém, é que essa mudança de comportamento é probabilística.

 Captura de Tela 2017-08-21 às 2.16.01 PM.png
As chances de escapar de 6 roletas russas convencionais (com
uma bala no tambor) são próximas de uma em três, isto é, as
mesmas de escapar de uma única roleta russa com 4 balas. A
manutenção da vulnerabilidade climática é repetir a roleta. O
aquecimento global equivale a colocar mais balas no tambor.

Primeiro, é preciso entender que eventos pouco prováveis não apenas acontecem como na verdade se nos expusermos ao fenômeno um número suficientemente grande de vezes é quase inevitável que ele aconteça. Se lançarmos simultaneamente 4 dados, a chance de obter 6 em todos eles é de apenas uma em 1296, mas repetindo o lançamento simultâneo algumas centenas de vezes, a probabilidade de que isso aconteça deixa de ser pequena (em 500 lançamentos, a chance de obter pelo menos uma vez o 6 em quatro dados já é de aproximadamente uma em três). E o que dizer de eventos ainda menos prováveis, como é o caso de alguém ganhar na mega-sena? As chances de um ganhador individual são pífias, mas como há milhões de jogadores, o prêmio não acumula ad eternum (a maior sequência de sorteios sem ganhador foi de 12, em 2002).

Quando probabilidades viram eventos reais, clima vira tempo e vulnerabilidade vira morte, o termo tragédia anunciada é o que me vem à cabeça. Como há muito venho mostrando na academia, em palestras e nas redes sociais, um planeta mais quente terá um clima de extremos. É decorrência imediata da Física por trás da chamada “equação de Clausius-Clapeyron”: a atmosfera, transformada em um maior reservatório de vapor d’água, produz(irá) tanto secas mais severas quanto tempestades mais violentas. É como viciar um dado ou uma roleta mortais, aumentando a probabilidade de desfechos trágicos nessa ininterrupta loteria climática. A relação entre eventos extremos e aquecimento global é mediada pela mudança nos mecanismos físicos que regem a sua probabilidade de ocorrência.

A repetição, no caso de uma catástrofe como a que se abateu sobre Serra Leoa, é nada mais nada menos do que um dia vivido atrás do outro, uma nuvem de chuva formada após a outra, até que uma delas se transforme em uma tempestade severa e que esta despeje uma enxurrada e produza um deslizamento justamente onde há um assentamento humano populoso e vulnerável. Há indícios na literatura científica de que uma elevação em 18% nos extremos diários de precipitação já possa ser atribuída ao aquecimento global, sendo que este número deve se elevar a pelo menos 40%mesmo no “limite seguro” (e põe aspas nisso) de 2°C.

 6091401_x720.jpg
Que futuro disputamos? O do abandono dos pobres a catástrofes
climáticas cada vez mais recorrentes ou o acolhimento de todos
e todas como irmãos e irmãs que somos?

E precisa dizer que numa sociedade desigual alguns sofrem mais, imigram mais, adoecem mais, morrem mais? Que num mundo com secas e tempestades mais frequentes e mais intensas os mais ricos, os habitantes dos países mais desenvolvidos terão bem melhores condições de lidar com tal clima inóspito? Que os impactos das mudanças climáticos vêm permeados de racismo, desigualdade de classe e até de gênero? Que a sociedade precisa assegurar, em contraposição a esse cenário distópico, mudanças que vão desde a alteração radical da matriz energética e do padrão de consumo ao acolhimento muito mais generoso e resoluto de refugiados de guerra e climáticos?

Uma última palavra, para não deixar passar em brancas nuvens o conflito aberto no qual me envolvi nas últimas semanas. Num contexto tão tristemente ilustrado pela tragédia em Serra Leoa, o negacionismo se torna claramente uma espécie de negligência coletiva, organizada, militante. Não apenas a recusa em se engajar em solucionar a questão, mas a sabotagem ativa da consciência social, a opinião pública e as tomadas de decisão faz do negacionismo algo nocivo, daninho e perverso; uma perfeita dobradinha do mal com o fascismo e racismo xenófobos que erguem muros e atacam negros, indígenas e imigrantes.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: