Novidades

Dia Latino-Americano e Caribenho pela Descriminalização e Legalização do Aborto

Hoje, dia 28 de setembro, é o Dia Latino-Americano e Caribenho pela Descriminalização e Legalização do Aborto. A campanha pelo 28 de Setembro foi inaugurada em 1990, quando mais de duas mil mulheres participaram do 5o. Encontro Feminista Latino-Americano e Caribenho, realizado na Argentina, estabelecendo a luta pela vida das mulheres e tratando o aborto como questão de saúde pública. Na maioria dos países da América Latina e do Caribe o aborto é considerado crime, o que tem por consequência uma elevada taxa de mortalidade materna. As mulheres mais vulneráveis e em situação de pobreza são as maiores vítimas desse sistema sexista.

Card colorido, fundo lilás. No canto esquerdo superior a logo da Setorial de Mulheres do Subverta. Ao centro o texto “28 de setembro. Dia Latino-Americano e Caribenho da Luta pela Legalização do Aborto”. No canto superior esquerdo a ilustração de uma flor rosa na cor roxa e na cor rosa e, por cima, o logo do Subverta em branco. No canto inferior direito a imagem de uma mulher branca, com pele bronzeada e cabelo escuro liso em uma manifestação segurando para cima um lenço verde símbolo da luta pela Legalização do aborto. No canto inferior esquerdo a ilustração de um ramo de folhas verdes.

O 28 de Setembro realça a luta dos movimentos feministas e de mulheres pela descriminalização e legalização do aborto, assim como pela possibilidade de realizá-lo de forma segura e consciente, assegurando o protagonismo das mulheres nas escolhas em relação ao seu corpo.

A lei no Brasil garante a interrupção da gestação para vítimas de violência sexual, casos de anencefalia do feto e quando há risco à vida da gestante. Contudo, o acesso a esse direito nem sempre é garantido, e frequentemente não há capacitação para o acolhimento dessas mulheres.
Em meio à atual crise sanitária, apenas 55% dos hospitais que ofereciam serviço de aborto legal no Brasil mantém o serviço durante a pandemia, tornando urgente o debate sobre justiça reprodutiva.

A necessidade de garantir acesso integral à Saúde da Mulher perpassa a Saúde Sexual e  Reprodutiva, Saúde Materno-Infantil, bem como políticas públicas capazes de garantir condições materiais para decidir ou não por uma gravidez.

E apesar do aborto em tais condições estarem previstos em legislação, a ascensão da extrema direita no Brasil, com o governo de morte do presidente Bolsonaro, contribui para a violência e desmonte dos poucos direitos das mulheres. O bolsonarismo e sua moral patriarcal vem adotando medidas cada vez mais restritivas em detrimento as mulheres, meninas e adolescentes vitimas de abuso. Em agosto do ano passado, o Ministério da Saúde lançou uma portaria alterando o procedimento padrão a ser adotado por médicos e profissionais de saúde, tornando “obrigatória a notificação à autoridade policial pelo médico, demais profissionais de saúde ou responsáveis pelo estabelecimento de saúde que acolheram a paciente sobre os indícios ou confirmação do crime de estupro.”, independente do consentimento da vítima.

A luta de hoje, companheires, é a luta contra opressão dos corpos, pela proteção e garantia de direitos. Para que TODAS AS PESSOAS tenham acesso à informação e recursos que permitem as mulheres, meninas e pessoas com utero o controle sobre sua vida reprodutiva.

Nem mãe, sem desejar! Nem presa, por abortar! Nem morta, por tentar!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: