Novidades

Resolução do Comite Internacional de 2022 da IV Internacional:

Card colorido. Fundo verde petróleo. Alinhado à esquerda e ao fundo parte de um globo terrestre desenhado com linhas simples. Com meridianos e paralelos. E os continentes destacados com hachuras e contorno. No canto superior direito, logo branca do Subverta. Centralizado texto

Contra a escalada militar da OTAN e da Rússia na Europa Oriental

A seguir, a posição tomada pela IV Internacional no seu último Comitê Internacional, pouco anterior ao início dos ataques russos. Em breve atualizaremos o texto e publicaremos mais notas sobre o conflito.

Devemos nos mobilizar contra as ameaças militares (e nucleares) no horizonte, em um quadro de instabilidade política, desordem econômica e colisão inter-imperialista, defendamos os direitos da população ucraniana.

Uma situação séria e perigosa com uma dimensão geopolítica global

Há cerca de um mês, assistimos a uma escalada militar em torno da Ucrânia que constitui uma séria ameaça à Europa e ao mundo e que nos leva de volta às crises mais graves do auge da Guerra Fria, como a Guerra da Coréia (1950-53), a crise dos mísseis cubanos de 1962 ou o desdobramento dos euromísseis (e os SS20 soviéticos) no início dos anos 80, quando Ronald Reagan contemplou a possibilidade de recorrer ao armamento nuclear tático no teatro europeu.

O perigo da contínua espiral verbal e militar e o risco de entrar em conflito armado, seja de baixa intensidade ou de amplo alcance, localizado ou generalizado, convencional ou também envolvendo alguma forma de ameaça nuclear, é maior do que nos episódios já mencionados. Enquanto o povo ucraniano é o primeiro a ser afetado, as ameaças dizem respeito a todos os atores envolvidos na espiral verbal e belicosa da crise atual, em particular todos os povos da Europa. Estamos, portanto, diante de um duplo desafio: → para responder aos receios expressos na Ucrânia sobre as tropas russas em suas fronteiras, alegadamente com o objetivo de impedir a integração da Ucrânia na OTAN; → tomar a medida dos perigos reais produzidos pela escalada de declarações e comportamentos belicosos cujos interesses vão além da questão ucraniana.

Nossa posição geral sobre a OTAN é dupla: após a Segunda Guerra Mundial, a Quarta Internacional se opôs à OTAN quando ela foi criada e, a fortiori, exigiu que a Aliança Atlântica fosse desmantelada em 1991 junto com o Pacto de Varsóvia, e condenamos a retórica e o comportamento imperialista da Rússia, o que levou uma parte crescente da população ucraniana a se voltar para a OTAN. A retirada das forças estrangeiras (atlânticas e russas) e a neutralidade militar da Ucrânia são a única proteção de sua independência. Mas é o povo ucraniano – não a chantagem e as negociações entre as grandes potências – quem deve decidir se adere ou não à OTAN.

Os principais fatores que contribuem para o perigo de uma situação geopolítica instável são Grandes questões energéticas (especialmente associadas aos problemas de transição para as energias renováveis) com a energia russa capaz de explorar as diferentes situações (e dependências) energéticas da UE e dos EUA – no contexto de enorme volatilidade econômica e do risco muito real de um novo colapso financeiro; problemas de escassez e inflação, dificuldades energéticas e grandes problemas de transição para as energias renováveis.

Uma acumulação de conflitos armados na antiga União Soviética, da Ucrânia desde 2014 à Geórgia, Armênia e Azerbaijão, via Chechênia e um longo processo de reconstrução do poder militar russo e de recuperação dos reveses e humilhações sofridos desde o fim da Guerra Fria – e uma relativa consolidação do domínio russo sobre Belarus e Cazaquistão que encoraja a grande postura de poder de Putin;.

E, mais especificamente, a crise do sistema político e a instabilidade interna nos Estados Unidos – apenas um ano após o ataque ao Capitólio promovido com impunidade por um Trump que se vê voltando à Casa Branca muito rapidamente -, a União Europeia e, sobretudo, a própria Rússia, após dois anos de pandemia e revoltas generalizadas contra o autoritarismo, a corrupção e a repressão.

O impasse do “formato Normandia” (França, Alemanha, Rússia, Ucrânia) da gestão de conflitos na Ucrânia após a ocupação russa da Crimeia desde 2014.

Tanto Putin quanto Biden precisam apresentar uma imagem forte e agressiva, por um lado para recuperar a credibilidade e legitimidade nacionais e, por outro, para disciplinar o que eles consideram ser suas respectivas áreas de influência: Putin para se recuperar da maior onda de protestos anti-autoritários desde a Perestroika que a Rússia vem passando há vários meses e das revoltas contra a corrupção, as desigualdades e o paternalismo pós-stalinista no que ele acredita ser a área de influência da Rússia (Belarus, Cazaquistão, etc…. ); Biden, que está à beira de uma eleição para o Congresso, após uma humilhante retirada do Afeganistão e sobrecarregado por uma decepcionante gestão interna que lhe trouxe um nível de impopularidade comparável ao de Trump nos últimos meses de sua presidência.

A posição de Putin dentro da Rússia também depende diretamente de sua posição em matéria de política externa. Seu quarto mandato presidencial termina em 2024, após o qual ele terá que reter o poder (em face do declínio da popularidade) ou entregá-lo a seu “sucessor”. Este processo de “transição de poder” em uma situação de completa degradação de todas as instituições políticas depende apenas da própria decisão de Putin e de sua capacidade de reunir as elites burocráticas e financeiras ao seu redor diante de ameaças internas e externas. Primeira ameaça de guerra nuclear em sessenta anos A arrogância de suas respectivas declarações é proporcional à sua fraqueza política: “Espero que Putin esteja ciente de que ele não está longe de uma guerra nuclear”. “Putin quer testar o Ocidente e pagará um preço por isso que o fará lamentar o que fez”, disse Biden durante uma coletiva de imprensa em 20 de janeiro. Mas declarações belicosas deste tipo, mesmo que sejam o resultado de gesticulações e de um jogo de pôquer de mentiras, nunca são inócuas e nunca correm o risco de ficar fora de controle.

O fator determinante por trás da concentração maciça de suas tropas nas fronteiras norte e leste da Ucrânia é o medo da Rússia da hipotética entrada da Ucrânia na OTAN, o que permitiria o lançamento de armas nucleares hostis ao lado de seu país. 30 anos após o fim da URSS e a dissolução do Pacto de Varsóvia: entre o alargamento da OTAN e a reconstrução do imperialismo russo Quando Mikhail Gorbachev decidiu desmantelar o Pacto de Varsóvia há 30 anos, os líderes da OTAN concordaram que fariam o mesmo com esta e prometeram que a futura Alemanha reunificada seria um país neutro, como a Áustria tinha sido desde o fim da Segunda Guerra Mundial. Como sabemos, não apenas a Alemanha reunificada aderiu à Aliança Atlântica, mas a Aliança se expandiu desde então para o leste, integrando a maioria dos países que durante 45 anos haviam pertencido ao Bloco Soviético: em 1999 a Polônia, a República Tcheca e a Hungria. Em 2004, a Bulgária, Estônia, Letônia, Lituânia, Romênia, Eslováquia e Eslovênia seguiram o exemplo. Albânia e Croácia em 2009 e em 2020 foi a vez da Macedônia do Norte.

A manutenção e a expansão da OTAN, longe de pacificar as relações no continente, está pressionando-as e só pode encorajar uma grande lógica expansionista russa em detrimento dos países entre a UE e a União Eurasiática, dominada por Moscou.

A mobilização militar russa ao longo da fronteira ucraniana é a razão pela qual Biden anunciou que estava disposto a negociar que as armas estratégicas não seriam utilizadas na Ucrânia e que a adesão da Ucrânia à OTAN não estava na agenda. Entretanto, não podemos esquecer que, de acordo com os próprios relatórios do FBI, desde a derrubada do governo Yanukovich na Ucrânia, a anexação da Crimeia pela Rússia e o início da secessão no Donbass, a Ucrânia se tornou um campo de treinamento para o movimento fascista internacional, que recrutou combatentes anti-russos para integrá-los às milícias ucranianas da mesma forma que o fundamentalismo islâmico usou a guerra no Afeganistão primeiro (com a formação da Al Qaeda na época pela CIA e inteligência militar paquistanesa), depois a guerra na Bósnia e, mais recentemente, a guerra no Iraque e na Síria (a origem do terrorismo Daesh). Mas a chamada “República Popular de Donetsk” também está recrutando forças eslavas fascistas e ultra-nacionalistas.

Logicamente, apesar da escalada russa e da mobilização das tropas da OTAN e do armamento dos EUA estacionados nas repúblicas bálticas, felizmente há espaço para negociação, mas será difícil chegar a uma solução flexível quando ambas as partes tiverem tornado a situação muito tensa e estiverem partindo de posições de fraqueza política e instabilidade institucional interna. Das loucuras militares às loucuras econômicas: sobre as “sanções” ameaçadas por Biden Apesar da agressividade de Biden e da OTAN, as potências européias estão divididas quanto ao que fazer. Enquanto alguns países como a França e a Alemanha estão muito relutantes em se engajar na dissuasão militar, a atitude subserviente do governo “progressista” espanhol é particularmente patética. Logicamente, a Alemanha é um país-chave neste cenário, pois sua vulnerabilidade econômica e sua dependência energética da Rússia é enorme. Biden ameaça sanções nunca antes vistas, como a expulsão da Rússia do sistema global de pagamentos SWIFT ou o corte do gasoduto Nord Stream 2, ao qual Putin responde dizendo que isso significaria a “completa ruptura de relações” com os EUA. Se a Rússia, que tem aumentado deliberadamente o preço do gás que exporta para a Europa como medida de pressão geopolítica durante meses, decidisse aumentar ainda mais o preço ou cortar os suprimentos diretamente, estamos falando de uma redução drástica na atividade industrial e no fornecimento de eletricidade e aquecimento para grande parte da Europa Central com seu consequente impacto sócio-econômico, o que sem dúvida seria dramático. Por outro lado, se a Rússia fosse expulsa do sistema SWIFT, os 56 bilhões de dólares em ativos financeiros ocidentais e 310 bilhões de euros colocados em empresas russas muito provavelmente seriamente comprometidos, tornando-se imediatamente um alvo da resposta russa (de fato, até mesmo alguns oficiais ocidentais também afirmam que isto é irrealista). Não há dúvida de que uma guerra energética, financeira e comercial deste calibre seria letal para uma economia global que arrastaria com ela dois anos de pandemia e todos os efeitos desestabilizadores acumulados de quarenta anos de longa recessão, financeirização e desregulamentação neoliberal e, por último, mas não menos importante, favoreceria uma maior aproximação geo-econômica e geopolítica entre a Rússia e a China, o maior pesadelo imaginável para os estrategistas de Washington.

Incertezas da situação

As autoridades americanas e britânicas estão ordenando que seus cidadãos deixem a Ucrânia, citando o perigo de uma invasão russa no país. Estas ações ajudam a criar uma psicose de guerra e a tensionar ainda mais a situação. Entretanto, a Alemanha vetou a entrega de armas da antiga RDA (Alemanha Oriental) para a Ucrânia que algumas repúblicas bálticas estavam buscando. Os vôos militares britânicos que transportam armas para a Ucrânia hoje em dia evitam sobrevoar o território alemão. Paradoxalmente, os poucos comentários sensatos sobre a situação atual não vêm de políticos ou jornalistas, mas de alguns militares: “A mídia está acrescentando combustível ao fogo de um conflito, tenho a impressão de que ninguém percebe o que uma guerra realmente significa”, diz o general Harald Kujat, ex-inspetor-geral da Bundeswehr. “Não pode ser que falemos apenas de guerra em vez de como evitar a guerra”.

A situação política russa e as intenções de Putin

A Rússia, com um orçamento militar equivalente a 3% dos gastos militares mundiais (não esqueçamos que estamos falando do segundo maior exército convencional do mundo, forças terrestres equivalentes às dos EUA e um arsenal nuclear quase equivalente ao dos EUA), está jogando um jogo de desestabilização muito perigoso num contexto de divisão estratégica e crise interna na OTAN, o que poderia provocar uma reação muito agressiva por parte daquela aliança militar. Ao contrário das reivindicações das correntes de esquerda nostálgicas da Guerra Fria, que confundem a política neo-czarista, oligárquica e nacionalista de Putin – que tem contribuído para esmagar revoluções e rebeliões populares genuínas na Síria, Belarus e Cazaquistão e para amordaçar, reprimir e intimidar a oposição democrática e as forças populares na Federação Russa – com a política revolucionária, proletária e internacionalista de Lenin, a política externa da Rússia é sem dúvida reacionária.

Hoje, a sociedade russa sofre de pobreza e desigualdade maciças (ainda maiores do que a dos Estados Unidos). De fato, a “nova arquitetura do mundo” que a Rússia defende é o velho imperialismo do início do século 20, no qual o mundo está dividido em “esferas de interesses” das grandes potências e os pequenos países vêem negado qualquer direito de controlar seu próprio destino. Nesta perspectiva, a principal queixa da Rússia em relação aos EUA é que construiu um mundo “único e soberano” (a famosa frase de Putin) e não está disposta a compartilhá-la com o resto dos atores globais.

Entretanto, para a maioria da mídia ocidental, Putin e o “temível” Lavrov são os únicos vilões do filme. Mas a verdade é que, nas palavras de alguém tão insuspeito do radicalismo bolchevique como Oskar Lafontaine, “há muitas gangues de assassinos no mundo, mas se contarmos as mortes que eles causam, a gangue criminosa de Washington é a pior”. O que o povo russo precisa é de distensão, uma chance de desenvolver uma oposição democrática e popular capaz de fraturar a frágil aliança entre a burocracia pós-stalinista e a oligarquia mafiosa que forma a base do regime autoritário encarnado por Putin, de desarmar a histeria nacionalista que une este bloco reacionário e de relançar as demandas da juventude, das mulheres e do mundo do trabalho em chave internacionalista.

O que podemos esperar?

Que a Rússia vai “invadir a Ucrânia”, ocupando o país inteiro, está completamente fora de questão. Nas ruas de Budapeste, vestígios da ocupação soviética de 1956 ainda hoje podem ser vistos. O que aconteceu então na Hungria seria uma brincadeira de criança em comparação com o que aconteceria hoje na Ucrânia.

O que é muito mais provável é que Putin instale mísseis nucleares “táticos” em Belarus, Kaliningrado e outros territórios próximos. Nem pode ser excluída a possibilidade de uma anexação do Donbass. O atual aumento dos preços do petróleo e do gás, e a expectativa de que eles continuarão a subir, poderia permitir ao Kremlin cobrir os custos econômicos de tais operações. E, embora menos provável e muito mais arriscada – e certamente muito mais sangrenta – uma operação militar russa para tomar a área ao sul do Donbass (Mariupol) para organizar um cinturão de segurança na direção sudoeste e conectar duas áreas rebeldes com a península da Crimeia também não pode ser descartada.

Tarefas das forças revolucionárias, pacifistas e democráticas na Europa e no mundo

Os acontecimentos atuais são sérios e extremamente perigosos para a paz na Europa. Como sabemos, em situações de máxima tensão nenhum ator tem controle absoluto sobre os eventos e qualquer acidente pode desencadear situações incontroláveis. É urgente uma mobilização internacional para lançar as bases de uma ofensiva global anti-militarista e anti-nuclear. As tensões na área da Ásia-Pacífico também estão ligadas à escalada em curso na Ucrânia e as tentações imperialistas em tempos de crise econômica, social e institucional das grandes potências são particularmente perigosas. Por todas estas razões, apelamos às organizações políticas, sociais, associativas, nacionais, regionais e internacionais para que busquem grandes reuniões de mobilização internacional para voltar a se conectar com o impulso internacionalista e solidário da esquerda.

Organizemos a mobilização para a desescalada, a paz, a dissolução dos blocos e a autodeterminação dos povos!

Bureau Executivo da Quarta Internacional
30 de janeiro de 2022

Sobre subvertacomunica (56 artigos)
Organização Política Ecossocialista que atua para transformar o mundo, acabar com todo tipo de exploração, opressão e destruição do planeta!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: